Ser Filha de Pais Separados

Lembro-me de que quando era mais miúda havia um grande estigma em relacao a filhos de pais separados. Como se essas criancas estivessem de certa forma em sofrimento e nao se fossem desenvolver tao bem como aquelas criadas pelos pais enquanto casal.

Ora eu sou filha de pais separados. Aconteceu quando tinha 3 anos e picos. Nao me lembro de ter sofrido por ter um pai ausente. Durante a minha infancia tive uma mae muito presente e um padrasto com quem tinha muita cumplicidade e que alinhava sempre nas minhas brincadeiras e malandrices. Tive férias e festas de anos memoráveis. Uns avós que estiveram sempre presentes e me deram muito mimo. Fui relativamente boa aluna e fora alguns "dramas" na adolescencia fui muito feliz.

Cresci aparentemente sem mazelas pelo facto de ter crescido numa casa onde o meu pai nao estava presente.

No entanto é inevitável nao pensar de vez em quando como seria se o meu pai fosse um pai presente e nao um pai ausente. Isto independentemente da separacao. Como seria partilharmos as coisas do dia-a-dia, os nossos interesses, as nossas ideias, os nossos problemas, etc.

Até ao inicio desta semana nutria uma secreta esperanca de um dia fazer parte da vida do meu pai. Mas quando esse mesmo pai rotula a nossa relacao de "artificial" a esperanca morre e isso dói muito. Aí pára-se para pensar melhor e chega-se a conclusao que nao faz sentido ter alguém "por favor" na nossa vida e que há que seguir em frente com todos aqueles que sempre estiveram presentes!